Intervalo Noturno

Categories Casais, Fetiches
fetiche

Marc e eu somos colegas – ambos trabalhamos para uma grande companhia aérea. Ele é piloto, eu sou assistente de voo. Sorte a minha, eu costumo voar com ele.

Ultimamente, começamos uma aventura, que queremos manter em segredo por todas as razões – afinal, estamos lá para trabalhar e não para o nosso mero prazer. Recentemente, fomos novamente agrupados em equipa. Quando o vejo, sou tomada por um arrepio agradável que me percorre o corpo e todas as minhas zonas erógenas – ele tem um aspeto tão bom e sexy no seu uniforme azul-claro feito à medida, que revela o seu perfil bem tonificado, alto, viril…tão maravilhoso. Voamos para a República Dominicana e eu estava ansiosa por essa viagem. Durante todo o voo a minha imaginação antecipou a aventura sexual que seria passar a noite com ele.

Após o desembarque e o cumprimento das formalidades da vida profissional, seguimos para o hotel, numa enseada maravilhosa e com uma praia privada. Aproximava-se o fim do dia e o sol mergulha no mar em tons de rosa dourado cintilante. Fizemos o check-in no e recebemos a chaves do quarto, subindo no elevador até ao quinto andar.

Ainda no elevador já ele me encostou à parede, beijando-me vagarosamente e cheio de gula na boca. Os nossos beijos acalentaram-se cada vez mais com tesão. Eu reparo com gáudio no crescente inchaço nas suas calças e sinto a minha vulva a humedecer em antecipação do que vai acontecer no quarto do hotel. Marc abre a porta e eu olho para ele sequiosa, suspensa em satisfação. Ele chega-se a mim, solta o meu cabelo e penteia-me com os seus dedos delgados. Eu aproveito o momento e fecho meus olhos…

Mas eu estou impaciente: hoje não me sinto com vontade de preliminares longos e jogos de estimulação… não, hoje desejo-o imediatamente e sussurro-lhe isso ao ouvido. Apercebo-me o quanto isso o excitou ao esfregar o meu ventre palpitante na dureza do mastro dele. Tiramos os nossos uniformes e ficamos nus um diante do outro. Eu deitei-o na cama king size. Enquanto continuamos a beijar-nos, eu masturbo-o até que ele me empurra para trás e se deita sobre mim – em ânsia trémula, aguardo pela penetração varonil, até finalmente ser possuída. Desfaço-me em deleite e eu abro bem as minhas pernas para que a penetração seja ainda mais funda, quero que me foda bem e que me enlouqueça com cada estocada máscula da sua saborosa glande.

Ele move-se lentamente e com muito sentimento e rapidamente encontramos um bom ritmo. Eu puxo-o para mais perto de mim e gemo-lhe ao ouvido. Ele fode-me com vigor e penetra-me cada vez mais fundo, porque estou tão molhada, ele desliza sem esforço para frente e para trás e empurra-me do jeito que eu preciso para ficar muito excitada. Ele acaricia o meu rosto com os seus lábios macios, acabando por sussurrar-me cheio de tesão que me quer foder por trás. Ai que bom, digo-lhe, olhando-lhe bem nos olhos a suplicar que faça gozar e vir desenfreadamente.

Eu coloco uma travesseira debaixo da minha pelve, porque eu consigo atingir o orgasmo melhor nessa posição. Marc penetra-me outra vez e é cada vez mais maravilhoso, porque vai alternando entre a arrombar-me vulva e o seu saboroso sexo anal. Ele fode-me com mais força e faz-me sentir cada uma das suas estocadas bem dentro de mim. Eu não aguento mais e começo a gemer cada vez mais alto. O pénis firme dele preenche-me particularmente bem nessa posição. Os nossos corpos estão colados por uma leve camada de suor. Depois de ele empurrar intensamente o seu pau várias vezes bem em mim, percebo que ele também está prestes a vir-se e eu deixo gozar estrondosamente dentro de mim. Extasiados, ficamos alguns minutos entrelaçados antes de entrarmos no chuveiro. Descemos ao bar do hotel para nos retemperarmos e provavelmente teremos mais uma sessão no quarto a seguir…a convite da minha colega assistente que gosta de um bom trio! Tenho a certeza que o Marc não se importará…