Pequeno-almoço com orgasmo

Categories Acompanhantes, Fetiches
Sugar Daddy

Como ninfomaníaca tens de ser tão sortuda quanto eu! Eu encontrei um sugar daddy que sabe que não posso passar um dia sem os meus orgasmos!

A vida de uma ninfomaníaca é difícil. Começa logo pela manhã antes de se levantar, quando o prazer começa na cama, tomando posse de todo o corpo. Se não houver um parceiro ao “alcance”, quase se enlouquece. Uma ninfomaníaca precisa de pelo menos quatro orgasmos ao longo do dia, mas se forem mais, ainda melhor. Então, quando se está a trabalhar, a opção é entre um intervalo solitário na casa de banho ou uma enxaqueca e histeria. Se possível, combina-se uma rápida reunião de almoço com um parceiro, apenas para conseguir aguentar até ao fim do dia.

Claro, existe a internet onde pessoas com ideias iguais se encontram e se marca encontros para se sobreviver ao longo dos dias compridos. Eu tive uma companheira por muito tempo, com quem partilhei o apartamento e satisfazíamos as nossas necessidades. Ela era incrível com a língua e o uso de muitos brinquedos sexuais, e cada uma de nós tinha a sua própria coleção variada. Houve noites em que dormíamos muito pouco porque não conseguíamos manter as nossas mãos quietas e línguas separadas.

Mas agora eu encontrei um sugar daddy, que especificamente procurava uma mulher dominada pelo erotismo, sexo e luxúria como eu e que estivesse sempre pronta para satisfazer os seus desejos.

Depois de uma entrevista curta, fui morar com ele, desisti do meu antigo apartamento, rompi com o meu namorado e despedi-me de todos os amigos e redes sociais, vivendo apenas para a minha luxúria e os desejos do meu sugar daddy. Ele entende-me, está pronto e disposto a proporcionar-me até cinco orgasmos, às vezes até mais, ao longo do dia. Eu só tenho que obedecer-lhe e estar sempre pronta. Não há recusa ou ele castiga-me o que geralmente é expresso com o chicote ou com dias de privação sexual, até eu implorar a chorar. Ele pratica a privação atando-me à cama, para que eu não me possa satisfazer. De vez em quando espreita para o meu quarto, começa a excitar-me ou masturba-se à minha frente, mas não me permite gozar um orgasmo. Só me permite sentar à mesa na hora das refeições ou para ir à casa de banho. Depois desse tratamento, sou uma cabritinha domada e obediente.

Como ele trabalha a partir de casa, podemos planear o dia, de forma a ter sempre tempo para nós – eu só quero que ele atenda as minhas necessidades também.

Nos dias normais, ele oferece-me pequeno-almoço servido no quarto enquanto ele me acorda a horas – isto significa que tenho tempo de ir à casa de banho para me preparar, onde ele me deixa uma nota com o que ele quer que eu faça para estar pronta para ele.

Eu saio da casa de banho e sento-me na à mesa para o pequeno-almoço. Às vezes, ele coloca a almofada do assento com um vibrador e eu tenho que lentamente acomodar-me sobre ele e deixá-lo penetrar-me. Ele liga-o com o controlo remoto. Eu tenho que colocar os meus cotovelos sobre a mesa e manter contato visual com ele. Ele observa-me de perto, aumenta ou reduz as vibrações. Então ele serve-me o café e tomamos o pequeno-almoço, sempre com contato visual. Quando ele percebe que estou a ficar irrequieta, que abro a minha boca ou a minha língua se move lentamente sobre meus lábios, ele reduz a vibração.

“Só podes vir-te quando eu te permitir!”. Eu sei disso, mas muitas vezes é mesmo difícil controlar-me, pois estou sempre um pouco agitada pela manhã. Muitas vezes, ele levanta-se e põe-se atrás de mim, com as suas mãos a deslizar sobre os meus seios e acariciando-os. Eu costumo gemer!

“Meu senhor e mestre …”, imploro-lhe,

“Oh não, espera!”, a sua voz também é suave, mas ameaçadora. Então eu sustenho a respiração, porque isso pode fazer com que ele me ate na casa de banho e eu sinta o chicote!

Temos um cavalete na casa de banho, pronto para me dar o meu castigo merecido. Ele ata-me sobre com o meu estômago sobre o couro do cavalete, a minha cabeça para baixo, com as minhas pernas e braços atados às pernas do cavalete e pega no chicote. Ele chicoteia-me pelo menos dez vezes e deixa-me louca com isso, até ao ponto em que eu amo a dor, não mais do que isso.

Então ele pousa o chicote e beija-me as nádegas fustigadas, a minha roseta e desliza suavemente sob o meu clitóris e grandes lábios e oferece-me o meu primeiro orgasmo do dia. O cavalete está na posição certa para que ele me foda. Como o meu traseiro ainda está sensível depois dos açoites, a dor prolonga-se durante o meu orgasmo quando ele embate forte contra o meu corpo dominado e eu gemo cheia de luxúria!
Os meus braços puxam as algemas e os meus arranham as pernas do cavalete, em desespero por não me poder tocar ou tocar no meu sugar daddy.

Então ele solta as algemas, pega em mim e leva-me para o quarto. Eu me aconchego, ainda deliciada com minha primeira chuva de sensações e ele cobre-me gentilmente; ele ama-me, simplesmente.

Pouco depois, volto ao escritório dele, sento-me ao lado da sua cadeira e espero pela sua ordem.

Regularmente, sem tirar os olhos do seu trabalho ele diz:

“Cadela”

Eu sei, então, que tenho de ficar de joelhos ao lado dele. Ele verifica se eu estou lubrificada o suficiente, aperta-me o clitóris e eu já estou quase a implorar para me vir e ele brinda-me com uma foda de dedos, incluindo o polegar na roseta!

O meu sugar daddy sabe bem o que eu gosto e preciso e ele cuida tão bem de mim que eu de bom grado obedeço aos seus desejos e comandos.