Praia dos Prazeres Parte II

Categories Casais, Fetiches

José apreciou a misteriosa beleza dela quando ela se ajoelhou na areia, pele lisa e bronzeada, rosto redondo e nariz de botão, lábios macios e cheios, de sorriso perpetuamente brincalhão, profundos olhos castanhos brilhantes, provocantes. Curvas ternas, uma silhueta de suave ampulheta, madura, fértil …
O seu olhar vagou desde as suas coxas fartas e lisas até às suas ancas arredondadas e cintura almofadada, antes de se fixaram naquele par de tetas! Aqueles montes gloriosamente macios coroados com largos mamilos, amassados hipnoticamente pelas mãos dela, de dedos afogados…
Ela inclinou-se lentamente para a frente, deixando bailar os seus seios sobre o peito dele, deixando-os deslizar ao encontro do bastão latejante …
A coroa pulsante desapareceu entre as mamas macias, voluptuosamente calorosas, ao som de um gemido de prazer …
Ela ria-se da sua expressão a contorcer-se de prazer. Ela revirou os ombros, movendo os braços para baixo para apertar ainda mais as tetas Titanic à volta da masculinidade longa até se afundar no mar de mamas, com outro profundo gemido de olhos cerrados. Ele sentiu o momento em que o peito dela engoliu todo o seu comprimento sob um peso morno, com a glande a palpitar freneticamente enquanto espreitava do vale profundo dos seus seios perfeitos, numa tentativa vã de se escapar do abraço sufocante.
Ela brincava: “Eu sabia que ias gostar… impressionante … a maioria simplesmente desaparece entre estas maravilhas”, acrescentou, olhando para a coroa inchada e rosada que espreitava no seu decote. José sentiu a pressão dos seios a aumentar sob o seu membro afogado, de glande inchada e brilhante entre eles.
“Lá vai ele! “, antes de aliviar a pressão para deixar aparecer outra vez a coroa radiosa, acariciada pelo ar matinal fresco.
“E ele voltou para me ver …”, sorrindo marota.
“Acho que ele merece um beijo …”, olhando para ele enquanto esticava o pescoço para frente, pressionando os lábios na cabeça inchada e sensível e dando-lhe um beijo leve, a cabeça meio enterrada no seu espetacular decote.
Afastou os lábios e apertou as tetas novamente, sufocando a coroa reluzente, depois soltava a pressão para deixar a ponta espreitar e depositar um beijo na cabeça brilhante e palpitante. Ora depositava um beijo suave, ora girava a língua prolongadamente.
Cada segundo da foda à espanhola aumentava a pressão orgásmica, cada vez mais pronunciado, com o mastro a latejar no abraço suave da sua pele de seda …
Ela inclinou-se para mais um momento de fellatio mas ele simplesmente não aguentava mais. Urrou, estendendo as suas mãos para poder percorrer o seu cabelo, segurando-a com firmeza meiga.
Ela foi surpreendida pelo sacudir incontrolável das suas ancas, enfiando a sua lança no vale sedoso dos seus seios macios e a glande afogada no abraço húmido abraço dos seus lábios. Ele arqueou, mergulhando na boca quente dela, o seu sexo a deslizar sobre a língua macia, e ele soltou um profundo vagido crespo.
O membro pulsou na língua, uma vez, duas vezes e depois disparou uma explosão de esporra quente repentina, cobrindo e encharcando as papilas gustativas dela com sabor salgado e almiscarado da sua semente espessa e cremosa.
Ele caiu na areia, ofegante, saboreando a madrugada fantástica e voltou a sentir o ar fresco a acariciar a sua glande liberta. Levantou a cabeça para a entrever no paulatino sorver da degustação, de olhos fechados.
“Podias ter avisado… “, como se o quisesse repreender, antes de sorrir. “Mas… gosto de um aperitivo antes do prato principal.”
Ela levantou o seu torso, pairando as suas ancas sobre o seu colo, revelando a sua fenda perfeitamente raspada e brilhando com a excitação antecipada, a poucos centímetros do seu membro, ligeiramente amolecido em fanca recuperação.
Ele admirava como ela pairava sobre ele, como uma divindade pagã da fertilidade, o sol nascente atrás dela a espraiar os seus raios através da neblina matinal, gizando-lhe uma auréola que iluminava a silhueta gloriosamente curvilínea.
E ela sorria num ritual predatório, de fogo ardente nos seus olhos e o carne em chamas…

(termina no próximo mês)

**Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do ApartadoX.