Tu gostas é disto assim…

Categories Fetiches, Massagens

Estás nu e deitado de bruços numa cama enorme com lençóis vermelhos brilhantes. As minhas mãos espalham o óleo de massagem nas tuas costas e massageiam o teu corpo musculoso. Estás em boa forma e é um prazer acariciar cada um dos teus músculos.

Lentamente, eu deslizo as minhas cada vez mais fundo para o teu rabo extremamente tonificado. Amasso-o com força, passo meus dedos pela fresta e espalho o óleo quente entre as tuas nádegas. Expectante, abres as pernas. Uma das minhas mãos alcança os teus colhões e eu besunto-os também com o óleo de massagem. A minha outra mão fica entre as tuas nádegas. O meu dedo indicador circula em volta da tua roseta e exerço uma ligeira pressão sobre ela.

Eu inclino-me para a frente, para que os meus seios toquem as tuas costas e sintas os meus mamilos duros a raspar na tua pele. Eu acaricio o teu pescoço e belisco a tua orelha, para voltar a acariciar o teu pescoço. Arrepias-te todo, o teu escroto contrai-se enquanto o teu pau se contorce.

Não te aguentas quieto e esticas o teu traseiro em direção ao meu dedo. Eu redobro a pressão, mas não te penetro. Eu volto a mordiscar os teus lóbulos para conter o teu desejo …, mas isso só te provoca ainda mais.

A tua enorme ereção esmaga-se contra o colchão e exige a minha atenção. Eu brindo-te com uma massagem ao períneo e estimulo-te a próstata. Os teus gemidos soam mais altos e tentas virar-te. Antes de eu permitir que o faças, vou passar as minhas unhas pelas tuas costas. Gemes vagarosamente, o teu desejo aumenta… e agora podes virar-te…

Eu lambo a gota de prazer na ponta da tua glande com a ponta da minha língua. Eu olho para ti e trago sensualmente os meus lábios. Afasto as tuas pernas e sento-me entre elas. A posição perfeita para mimar-te com a minha boca. Mas tens de ser paciente… eu não permito que te venhas tão rápido.

Eu beijo o teu peito e mamilos. A minha língua brinca com os teus mamilos e eu chupo um enquanto esfrego o outro entre as pontas dos meus dedos. As tuas mãos seguram os meus seios e os meus mamilos estão eretos. Não te conténs e apertas-me os seios. Eu gemo com dor e prazer. Os meus lábios vagam pelo teu corpo, beijando a tua barriga e brinco com o teu umbigo.

A minha mão alcança a sua gloriosa vara e eu masturbo-te com movimentos rápidos. A tua pélvis está levantada. A minha língua brinca com a tua glande e os meus lábios engolem-na. Eu chupo-te forte. Seguro a posição do teu pau com uma mão e a minha outra mão massageia os teus colhões.

A minha boca vagueia pelo teu pau e eu beijo-te o períneo. A minha língua segue para a tua roseta, provocando-te. Os meus dedos esmagam o teu caralho inchado. A tua lança ardente cresce e a tua glande brilha cintilante. Estou tão excitada e a minha cona pulsa de tesão, toda encharcada e tão pronta para ti.

Sentas-te e agarras a minha cabeça. Com um movimento rápido, puxas a minha boca para o teu pau e eu abocanho-a toda até ao fundo da minha garganta, até a tua glande o sentir. A tua mão agarra-me firme no cabelo da minha nuca e tu decides o ritmo. Cuidas da minha boca e eu com a minha língua lambo o teu sexo, desde os testículos até a ponta molhada da glande.

Com as minhas mãos ainda tenho acesso livre aos teus colhões e ao teu traseiro sexy. Os meus dedos enfiam-se na fenda húmida e eu espalho o meu leite cremoso generosamente em torno da tua roseta. Com uma leve pressão, preparo-te. Lentamente, deixo deslizar um dedo e ofereço-te uma massagem à próstata. Primeiro, paras surpreendido, mas depois procuras com expectativa aproveitar cada vez mais esta sensação. À medida que a tua resistência diminui e o teu ânus se alonga, enfio um segundo dedo e aumento a pressão sobre a tua próstata. Gemes ainda mais alto e fodes a minha boca cada vez mais rápido. A massajar-te o traseiro, a pressão no teu escroto e a minha boca no teu pau faz-te explodir. Gemes profundamente e cais de costas na cama. A tua esporra esguicha na minha boca. Eu engulo tão bem quanto posso, mas o teu sexo contrai-se incontrolavelmente e continuas a ejacular de modo que acaba por escorrer pela minha boca. Mas eu não deixo restos e lambo o teu néctar divino.

Lentamente, o teu corpo se acalma e recuperas o fôlego. Mais uma vez, gemes com brevidade enquanto eu tiro os meus dedos fora de ti. Eu estou sobre ti,  nos meus joelhos e mãos, o meu cabelo solto sobre o teu peito e eu olho para ti cheia de luxúria com a minha cara lambuzada.

Sim, é assim que gostas, não é?